logo Raja Ventures

Entenda como funciona a tributação para investidor anjo

O ecossistema de startups brasileiro cresce a cada ano, e com ele, a relevância do investimento anjo se solidifica como um pilar fundamental para impulsionar inovações e realizar o sonho de muitos empreendedores. Por isso, é fundamental entender a tributação para investidor anjo.

Mas, embora traga um horizonte de lucros promissores, esse tipo de investimento possui suas nuances – principalmente quando se trata da tributação no Brasil. Os impostos incidentes são uma realidade que não pode ser ignorada, pois impactam diretamente no rendimento final do apoiador financeiro.

Segundo a Instrução Normativa n.º 1.719/2017, o investidor precisa estar atento às alíquotas que podem variar dependendo do tempo de duração do contrato com a startup investida. Essa compreensão é essencial para avaliar os riscos e os benefícios reais do aporte realizado.

A Lei Complementar nº 155/2016, por sua vez, assegura que a associação do investidor com a startup não se configure como sociedade, isentando-o de possíveis responsabilidades legais.

Além de entender a questão tributária, é fundamental para o investidor anjo conhecer os mecanismos que permitem que a sua contribuição mantenha o negócio beneficiado em regimes fiscais vantajosos, como o Simples Nacional, sem que o investimento seja taxado como parte do faturamento da empresa emergente.

Navegar pelas águas da tributação requer conhecimento e preparação, e é nesse contexto que escrevemos este artigo para você!.

Pontos-chave para entender a tributação do investidor anjo:

  • A tributação sobre o investimento anjo pode variar de 15% a 22,5% conforme a duração do contrato de participação. Contudo, a Lei Complementar nº 155/2016 desvincula a figura do investidor das responsabilidades legais das startups;
  • A Receita Federal estipula a tributação sobre os lucros obtidos, alinhada a outros tipos de investimentos financeiros;
  • O investimento anjo favorece a manutenção da startup no regime do Simples Nacional.
  • É crucial para o investidor compreender as obrigações tributárias para planejar seu investimento com segurança.

Como funciona a tributação para investidor anjo?

Conhecendo melhor o universo das startups inovadoras, o investidor anjo encontra, além das oportunidades de crescimento exponencial, um complexo ambiente tributário. Para compreender melhor como essa tributação se aplica e quais suas repercussões para investidores e empresas optantes pelo Simples Nacional, é preciso analisar a legislação vigente e as taxas implicadas nesse processo.

O investidor anjo exerce uma função catalisadora, inserindo capital em negócios com alto potencial de retorno. Todavia, esses rendimentos decorrentes de lucros distribuídos e ganhos de capital estão sujeitos à tributação estabelecida pela Receita Federal.

O investidor anjo pode desenquadrar a sociedade do Simples Nacional?

A associação do investidor anjo com uma startup não incide na exclusão da empresa do regime tributário do Simples Nacional. O aporte de recursos pelo investidor anjo não configura participação societária, mantendo assim a empresa beneficiária do investimento elegível para este regime tributário simplificado.

Os lucros distribuídos ao investidor anjo são tributados na fonte, seguindo uma tabela progressiva regulada pela Instrução Normativa RFB nº 1719. As alíquotas aplicadas são de:

  1. 22,5% para contratos de até 180 dias,
  2. 20% de 181 a 360 dias,
  3. 17,5% de 361 a 720 dias,
  4. 15% para contratos acima de 720 dias.

É essencial destacar que, após dois anos do aporte de capital, o investidor anjo tem a possibilidade de resgatar seu investimento inicial, sem que tal ação resulte em incidência de imposto sobre a renda.

Tendo em vista esse panorama, fica evidente que investidores anjos desempenham um papel crucial no desenvolvimento de novos negócios, mas também estão sujeitos a um regime de tributação específico que exige atenção e planejamento financeiro acurado.

Tributação do Investidor-Anjo | COTS Advogados

Quando acontece a tributação do investimento anjo?

investidor anjo tributação 1

A tributação do investimento anjo ocorre principalmente em dois momentos: (1) sobre os resultados obtidos pela startup, ou seja, o retorno do investimento, e (2) no ganho de capital pela alienação da participação do investidor. Este cenário fiscal aponta o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) como elemento chave, uma vez que o imposto é recolhido imediatamente e não oferece a possibilidade de restituição.

Com o intuito de esclarecer os detalhes de como e quando esse imposto é aplicado aos investidores anjo, desenvolvemos uma tabela explicativa que contempla os percentuais associados a cada período do contrato:

Período do ContratoAlíquota do IRRFMomento de Tributação
Até 180 dias22,5%Recolhimento no 3º dia útil após a obtenção da receita
De 181 a 360 dias20%Recolhimento até o último dia útil do mês subsequente
De 361 a 720 dias17,5%Recolhimento conforme período de apuração
Mais de 720 dias15%Recolhimento beneficiado por longo prazo de contrato

Para os rendimentos periódicos decorrentes do investimento realizado na startup, as alíquotas são regressivas, estimulando assim contratos com maior duração.

Além disso, no caso de venda ou alienação da participação, o imposto incidente será calculado com base no mesmo critério de duração contratual, respeitando o prazo máximo para recolhimento do imposto até o último dia útil do mês subsequente ao da ocorrência do rendimento.

A compreensão correta sobre a tributação envolvida é um fator determinante para que o investidor anjo tome decisões mais assertivas.

Assim, ao considerar o potencial de retorno do investimento, o investidor deve também ponderar as taxas impostas e seus efeitos sobre o ganho de capital, assegurando assim uma gestão de riscos mais eficiente e consciente.

É possível alienar a titularidade do contrato de participação?

Para os investidores anjo, uma dúvida frequente relaciona-se à capacidade de alienação de seus interesses nos negócios dos quais fazem parte.

A possibilidade de alienar a titularidade do contrato de participação é uma flexibilidade concedida ao investidor, que pode ambicionar tanto a saída do negócio como a recuperação de seu aporte inicial.

Trata-se, portanto, de uma questão estratégica, que implica em uma série de considerações sobre o imposto de renda incidente.

Legislações como a Instrução Normativa RFB Nº 1719/2017 regulam esse processo, definindo que a alienação está sujeita às alíquotas progressivas que variam conforme a duração do contrato de participação.

Esta graduação é desenhada com a premissa de estimular a manutenção do investimento a longo prazo, conferindo benefícios fiscais aos que se engajam em colaborações de maior duração.

Ao considerar a alienação, o investidor anjo deve atentar para o consentimento das demais partes envolvidas, normalmente os detentores do negócio e eventuais outros investidores, transparecendo a transação e assegurando sua validade sob os aspectos contratuais e legais.

O lucro obtido nessa transação estará sujeito a tributação, conforme as normas postas, e o imposto de renda deverá ser pago nos moldes atuais.

Sendo assim, tal medida não apenas confere ao investidor anjo flexibilidade e autonomia em suas escolhas de investimento, mas também o envolve diretamente nas nuances e obrigações tributárias que acompanham a alienação.

É fundamental, para o sucesso e legalidade da operação, que o investidor esteja ciente de todas as implicações fiscais do movimento de alienação da titularidade de seu contrato de participação.

  1. Acordo sobre a alienação: necessário consentimento entre as partes.
  2. Períodos contratuais: alíquotas do imposto de renda se ajustam à duração do contrato de participação.
  3. Procedimento tributário: o imposto sobre o lucro da alienação deve ser recolhido conforme orienta a legislação vigente.

Os fundos de investimentos também são tributados?

Assim como os investidores anjo que individualmente oferecem suporte financeiro às startups, os fundos de investimento não estão isentos das obrigações fiscais decorrentes da sua atuação.

A tributação incidente sobre esses players ocorre seguindo as diretrizes da Instrução Normativa RFB Nº 1719/2017, que alinha a prática aos procedimentos aplicados aos investimentos mais tradicionais.

O cenário corrente evidencia que os rendimentos gerados por investimentos em startups pelos fundos de investimento são submetidos a imposto de renda retido na fonte, o que significa que a tributação é efetuada diretamente na fonte do pagamento, ainda que o rendimento bruto só venha a ser auferido no momento do resgate.

Isto impõe aos fundos uma gestão fiscal cuidadosa, para que a rentabilidade das aplicações não seja inesperadamente comprometida por alíquotas fiscais.

A estrutura de tributação, portanto, incentiva a manutenção dos aportes por períodos mais longos, oferecendo uma redução progressiva das alíquotas de imposto de renda, de acordo com a extensão do contrato.

Isto demonstra que, tanto para investidores individuais quanto para fundos de investimento, o planejamento tributário é um aspecto que necessita de uma atenção especial e detalhada.

Por que os investidores anjo são tributados?

Ao refletirmos sobre a essência da tributação direcionada aos investidores anjo, compreendemos que esta não é apenas uma fonte de receita fiscal, mas um mecanismo de proteção jurídica que resguarda tanto o investidor quanto a startup.

Ao estabelecer alíquotas e definições claras, a regulamentação propicia um ambiente onde o incentivo ao empreendedorismo é acompanhado de transparência e segurança nas transações financeiras.

  1. Proteção contra práticas evasivas: impõe regulamentações claras que desestimulam a má interpretação de empréstimos como investimentos.
  2. Incentivo ao empreendedorismo: proporciona segurança para que investidores e startups promovam a inovação empresarial.
  3. Segurança jurídica: fortalece a confiança no mercado de startups por meio de uma sólida base legal.

Invista com segurança pelo Raja Ventures!

investidor anjo tributação 2

No panorama atual do empreendedorismo brasileiro, o Raja Ventures emerge como uma organização líder e confiável, dedicando sua expertise ao fomento de startups promissoras. 

Nós compreendemos profundamente o contexto fiscal nacional e os desafios do investidor anjo. Atrair apoiadores financeiros é um passo decisivo, e nos posicionamos estrategicamente para garantir a cada investidor uma jornada segura e transparente.

Para investidores que buscam não apenas a otimização tributária mas também o crescimento sustentável e o valor a longo prazo de suas aplicações, o Raja Ventures é o parceiro ideal! Conheça o nosso portfólio agora!

E para mais conteúdos como este, continue acompanhando o Blog do Raja Ventures!

O ecossistema de startups brasileiro cresce a cada ano, e com ele, a relevância do investimento anjo se solidifica como um pilar fundamental para impulsionar inovações e realizar o sonho de muitos empreendedores. Por isso, é fundamental entender a tributação para investidor anjo. Mas, embora traga um horizonte de lucros promissores, esse tipo de investimento […]